segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

NBB 2016/2017: Flamengo 81 x 72 Paulistano


O Flamengo chegou à sexta vitória consecutiva ao derrotar o Paulistano em casa por 81 x 72, e segue invicto no NBB.

Marquinhos manteve sua regularidade e anotou 19 pontos, sendo o cestinha da partida. É o melhor começo de temporada do ala jogando pelo Rubro Negro.

Em sua quinta temporada seguida pela equipe da Gávea, os melhores seis primeiros jogos havia sido logo na estreia, em 2012/2013, quando obteve média de 21,6 pontos por partida. Na atual temporada, Marquinhos já superou essa média e chegou a 22,5 pontos por jogo.

Outro destaque é Olivinha, que chegou ao seu quarto duplo duplo em seis rodadas: 10 pontos e 14 rebotes.

JP Batista contribuiu com 13 pontos e Fischer emplacou oito pontos e seis assistências.


O JOGO

Com duas bolas de três, Marquinhos iniciou abrindo frente para o Flamengo no primeiro período, colocando 16 x 7 no placar e obrigando a equipe paulistana a paralisar o jogo.

Com dez rebotes e dominando no ataque, o Rubro Negro fechou os primeiros dez minutos com 20 x 13 no placar.

Lelê voltou de titular no segundo período e matou a primeira bola de três do quarto. As duas equipes erravam bastante, e o Flamengo abriu 7 x 0 com pouco mais de três minutos, para construir a maior vantagem da partida: 27 x 13.

O Paulista equilibrou a partida e fechou em dez pontos antes do intervalo: 33 x 23.

O Flamengo iniciou o quarto melhor e abriu novamente 7 x 0, desta vez com os sete pontos de Marquinhos. O placar apontava: 43 x 26.

Mesmo com o pedido de tempo de Gustavo de Conti, o Rubro Negro voava em quadra. Com uma cesta de Olivinha a equipe da Gávea abriu vinte pontos: 50 x 30.

A equipe paulista reagiu e tirou oito pontos da larga vantagem. O pedido de tempo e as várias substituições de José Neto não surtiram efeito, e o que era vinte pontos de frente caiu para apenas oito: 58 x 50.

Lelê entrou no lugar de Marquinhos e matou de três para aliviar a pressão e finalizar o quarto que parecia ganho: 61 x 50.

O Paulistano tentou se manter no jogo, contando com as jogadas do ótimo Georginho, que terminou com 14 pontos, nove rebotes e oito assistências.

Mas do outro da quadra havia Marcelinho, que, sozinho, matou duas bolas de três seguidas para impedir a reação paulista e finalizar a partida em 81 x 72.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Flamengo tem ano de ouro em suas divisões de base, desafio agora é acertar na transição


O Flamengo viveu um ano muito feliz nas divisões de base. A equipe conquistou os Estaduais sub-13, sub-14, sub-15, sub-17, ficou em segundo no sub-20, porém ganhou o Torneio Otávio Pinto Guimarães sub-20, além da Copa São Paulo no começo do ano.

Ainda sem um Centro de Treinamento qualificado para suas promessas - a expectativa é que a obra das divisões de base comece em 2017, o clube já começa a desfrutar do bom trabalho realizado Carlos Noval, diretor executivo do Flamengo, bem como da boa captação de talentos pelo Brasil.

Além dos títulos, o mais importante é que uma boa safra está surgindo. Segundo os analistas, o sub-20 nem é tão talentoso, mas as divisões abaixo são preciosas.

Mesmo perdendo o estadual da categoria para o Botafogo nos pênaltis e sendo eliminado do Brasileiro e da Copa do Brasil, o Rubro Negro conquistou o Torneio OPG sub-20 vencendo o Vasco.

Destaque é o atacante Daniel dos Anjos, que estoura a idade de júnior e em 2017 terá que ser integrado à categoria adulta. Além do meio campo Gabriel Ramos.

Lembrando que já estão na equipe adulta o zagueiro Léo Duarte, o volante Ronaldo, o meia Paquetá e o atacante Vizeu.

No sub-17 o resultado é o mais expressivo. A equipe não perde há mais de um ano, conquistou o estadual de forma invicta, levando a Taça Guanabara e a Taça Rio. Foram 25 jogos, com 17 vitórias e oito empates.

Na decisão do segundo turno, o Rubro Negro atropelou o Vasco, ganhando o primeiro jogo por 4 x 0 e o segundo por 6 x 1.

Destaques para Lincoln, artilheiro da competição com 22 gols, Bill com 15 gol, Vinicius Júnior - a maior promessa, com 13 gols e Yuri com nove gols.

No sub-15, o Flamengo conquistou a Taça Guanabara contra o Fluminense. Na final do estadual contra o Botafogo, empate em 2 x 2 no primeiro jogo e vitória por 2 x 1, que valeu o título do campeonato.

Arthur foi o artilheiro com 15 gols.

No sub-13, o Flamengo derrotou o Vasco na final vencendo por 2 x 0 e no sub-14 por 1 x 0.

No sub-11 e sub-12 foi finalista, entretanto perdeu ambas as finais para Vasco e Fluminense, respectivamente.

O desafio é acertar na transição, no tempo certo, além da necessidade de condições estruturais e fisiológicos para a quantidade de bons jogadores que surge nas divisões de base.

Ao mesmo tempo que não dá pra colocar um punhado de jogadores da base no time adulto sem qualquer experiência, uma proteção excessiva também não é o correto. O campeonato carioca está aí para ser uma boa oportunidade para essa garotada

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

NBB 2016/2017: Flamengo 81 x 74 Liga Sorocabana


O Flamengo venceu a Liga Sorocabana por 81 x 74, segue invicto com cinco vitórias e na liderança isolada do NBB, repetindo a temporada 2012/2013, quando venceu as vinte primeiras partidas.

A equipe do Vitória da Bahia, até então invicta, perdeu para Campo Mourão por 70 x 64.

Próximo jogo Rubro Negro será novamente em casa, neste sábado, às 14h, contra o Paulistano (3V-3D).


DESTAQUES

Marcelinho, que vinha com média de 25 pontos por jogo, anotou apenas quatro nesta quinta-feira, mas distribuiu seis assistências.

Já Marquinho, cuja média era de 23 pontos, manteve seu padrão anotando 21.

Entretantoo o cestinha veio do garrafão, com JP Batista marcando 22 pontos e pegando cinco rebotes.

Olivinha por pouco não conseguiu mais um duplo-duplo. Foram: 12 pontos e oito rebotes.

Fischer, jogando 24 minutos, terminou com oito pontos e cinco assistências.


LAMENTÁVEL

Lamentável novamente a torcida arrumando briga nas intermediações do Tijuca. Desta vez a confusão foi entre a Raça Rubro Negra e Urubuzada. 70 foram detidos. E terça-feira tem Flamengo x Vasco pela final do Estadual, com torcida única.

Depois não vão gostar se a associação de moradores do Leblon protestar pela construção da Arena na Gávea. Impressionante como as vezes a torcida joga contra a própria instituição!


O JOGO

O Flamengo abriu 11 x 2 com Marquinhos imbatível. Mas o jogo que começou com pinta de tranquilo, foi apertado, pois a Liga Sorocabana reagiu e empatou o primeiro período em 19 x 19.

O segundo quarto foi o único período que o Flamengo conseguiu vencer com vantagem. Fez 21 x 14 e foi pro vestiário com 40 x 33.

No terceiro período o adversário reagiu e cortou a diferença para 44 x 42. Mas via garrafão, com JP Batista, o Rubro Negro voltou a abrir e fazer 59 x 52.

Nos últimos dez minutos o Flamengo administrou, jogou para o gasto, e fechou com os mesmos sete pontos de vantagem: 81 x 74.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Arena na Gávea: só falta a liberação do alvará

Segundo andamento no site da Secretaria Municipal de Urbanismo, todas as pendências para liberar a Arena na Gávea já foram cumpridas, restando agora apenas a liberação do alvará, ou, na prática, a assinatura do prefeito.

Confira:


domingo, 27 de novembro de 2016

Brasileirão 2016: Flamengo 2 x 0 Santos


À exemplo da partida contra o Coritiba, o Flamengo voltou a jogar bem, só que desta vez venceu o Santos por 2 x 0, foi para o segundo colocado, mas deve precisar vencer o Atlético Paranaense na última rodada, fora de casa, para confirmar o vice-campeonato brasileiro. Isso por que o Santos enfrentará o América-MG em casa.

Com a classificado confirmada para a fase de grupos da Libertadores, o Flamengo briga por R$ 3,4 milhões se terminar à frente do Santos.

Finalmente o Rubro Negro venceu um paulista nesta edição. Foram oito jogos, uma vitória, cinco empates e duas derrotas. 

Contra o Santos novamente a equipe conseguiu um gol logo no começo. Não tinha a posse de bola, pelo contrário, o adversário ficou com mais de 60%, mas o Rubro Negro ora recuava, ora subia a marcação e por pouco não marcou o segundo, na cabeçada do Gabriel e depois em chute de Guerrero.

Quando fechava a defesa com duas linhas de quatro, até o peruano ajudava lá atrás, o Santos não encontrava espaço, mesmo contando com jogadores habilidosos. Por vezes conseguiu espaço na contas do Rafael Vaz, mas não concluia com perigo.

Destaque para Diego comandando o meio de campo, com jogadas simples e outras brilhantes, como o giro sem tocar na bola para tirar o Renato da marcação.

O segundo tempo começou com Éverton fazendo boa jogada e encontrando Guerrero livre, mas chutou por cima do gol. 

Novamente boa jogada do Diego-Pará e outra assistência do Éverton, desta vez para Márcio Araújo, que chutou para fora. Guerrero ainda perdeu outra ótima chance em cruzamento do Gabriel.

E no finalzinho, gol do Diego. Um golaço! Chegou e despediu de 2016 nos braços da torcida, numa linda cena.


FINAL DIGNO

O Flamengo fez um campeonato digno. Se vencer a última rodada chega aos 73 pontos e passaria a ser o melhor vice-campeão da história dos pontos corridos com 20 clubes. Com 73 pontos seria campeão além de 2009, em 2010 e 2011. 

Mas as eliminações na segunda rodada da Copa do Brasil para o Fortaleza - da série C, e o Palestino - meio da tabela do campeonato chileno, ofuscaram essa campanha do brasileirão. O time poderia ter feito campanhas decentes em ambas as competições, mesmo não ganhando o título. 


2017

Para 2017 o Flamengo precisa ser mais competitivo, achou que ganharia quando quisesse, jogando sem nenhum compromisso contra o Palestino. Perdeu-se a chance de ganhar experiência internacional e, porque não, conquistar um título sul-americano que não ganha há anos.

E, evidente, montar o elenco desde o começo. A atual zaga titular chegou com o campeonato em andamento. Para nossa sorte deu certo, mas se desse errado?

O Palmeiras contratou 25 jogadores no ano passado e terminou em nono lugar. Para esse ano foram poucas contratações e ganharam o título. 

O Flamengo já tem uma base, precisa de quatro ótimos jogadores: zagueiro, volante e dois atacantes que joguem pelo lado, mas que sejam bons finalizadores. E precisa de um meia para tentar fazer um 4-4-2 com o Diego, quem sabe o Montillo.

Novamente essa diretoria tem a chance de disputar uma Libertadores, e agora precisa ver o que errou em 2014 para não repetir agora.


MÁRCIO ARAÚJO

Fez uma partida razoável com algum brilhareco no ataque. E, depois de ser respaldado pelo presidente durante toda a semana, resolveu falar após o jogo. Cobrou aplausos da torcida, pois voou em 2016. 

Sem comentários! 

sábado, 26 de novembro de 2016

Flamengo encontra alternativa para mandar seus jogos no Rio. É a primeira correção dos erros de 2016

Um ano atrás o diretor Fred Luz dizia que o clube estudava uma forma de viabilizar juntamente com Fluminense e Botafogo a Arena na Ilha do Governador, porém não tinha projeto e nem viabilidade financeira para levar os jogos do Flamengo pra lá.

Confira aqui.

Mas ficou por aí e o Botafogo, em coletiva no dia 28 de abril anunciou a parceria com a Portuguesa para utilizar seu estádio, evitando o desgaste das viagens a cada rodada do Brasileirão.

Em junho escrevi aqui no blog elogiando a atitude pró-ativa dos dirigentes alvinegros: "O estádio está bem bonito. Ficou personalizado, o que era uma reivindicação da torcida, já que no Engenhão isto não era possível, e as cadeiras são próximas ao campo, também ao contrário do Engenhão. Se a torcida alvinegra comprar o estadio, aquilo pode virar um caldeirão".

Além de ter um time ajeitado, um dos pontos que levou uma equipe média do Botafogo a brigar pelos primeiros lugares foi a sua mini-arena, que bem ou mal incomodava o adversário. Da mesma forma que o caiu do céu o Kléber Andrade para o Rubro Negro.

Eu cobrei neste mesmo post uma solução do Flamengo para 2017.

Eis que finalmente, um ano depois, o clube acordou e conseguiu fechar rapidamente e na surdina com a Portuguesa para mandar seus jogos na Ilha. É a primeira correção dos erros de 2016: ter uma casa para jogar sem precisar de viajar a cada rodada.

A capacidade atual é de 15 mil. Já falaram em dobrar e até colocar 40 mil de capacidade. Vamos acompanhar se vão conseguir as licenças para tal. Além da arquibancada, terá que ter um gramado novo. O atual é uma lástima.

Torço para que seja uma arquibancada deste tipo da Arena de Deodoro. Daria pra fazer um caldeirão de fazer tremer os adversário na Libertadores.


Também não tem como deixar de comemorar o fato de ser uma resposta concreta ao imbróglio do Maracanã. Com os últimos acontecimentos, ninguém sabe ao certo o que acontecerá com o estádio. O mais importante é que o clube hoje tem uma alternativa dentro do Rio para mandar seus jogos e sem depender do poder público, e agora aguarda os desdobramentos jurídicos, políticos e criminais que envolvem o Maracanã.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

NBB 2016/2017: Campo Mourão 69 x 90 Flamengo


O Flamengo segue líder invicto no NBB com quatro vitórias. Jogando mais uma vez fora de casa o Rubro Negro derrotou Campo Mourão, que havia vencido o Vasco no Rio, por 90 x 69

A equipe baiana do Vitória lidera com cinco vitórias em cinco jogos. Na noite de hoje venceu os cruzmaltinos por 70 x 60 em Salvador.


DESTAQUES

Novamente a dupla Marcelinho e Marquinhos conduziu a equipe à vitória. O capitão terminou com 30 pontos e o ala com 28 pontos.

E o mais incrível: Marcelinho estava zerado no intervalo. Ou seja: anotou 30 pontos em vinte minutos. E mais: anotou 25 pontos dos 30 apenas no terceiro quarto. Deve ser recorde algum jogador anotar 25 pontos em apenas dez minutos.

Segue a pontuação da dupla nos três primeiros jogos contra Bauru, Franca e Pinheiros, respectivamente.

Marcelinho: 22, 27 e 22 pontos.
Marquinhos: 21, 22 e 24 pontos.

Olivinha é outro que começa voando também. Anotou seu terceiro duplo duplo: 12 pontos e 14 rebotes.


O JOGO

Com ótimo jogo de Marquinhos, cestinha com dez pontos, e Olivinha, e ainda contando com quatro assistências de Fischer, além da mão afiada na linha de três pontos - foram quatro bolas em oito tiros, o Flamengo não sentiu a pressão de quatro mil torcedores a favor do adversário e abriu 17 x 11 para fechar em 25 x 16 com tranquilidade.

No segundo quarto a vantagem permanecia na casa dos dez pontos. Chegou a subir para 34 x 22, mas o Campo Mourão engatou uma boa sequência pra baixar a diferença: 34 x 30, forçando José Neto a paralisar a partida.

Pouco adiantou, na volta Leandro do Campo Mourão matou de três para enlouquecer sua torcida e virar a poucos segundos do fim: 35 x 34, terminando 35 x 35.

Na volta o gênio Marcelinho apareceu. Zerado em vinte minutos, fez o Flamengo abrir uma sequência de 12 x 0 para fazer 50 x 38.

O adversário ainda tentava se manter no jogo, cortou a diferença para 53 x 48. Entretanto Marcelinho tratou de impedir a reação do Campo Mourão e fez cinco pontos na sequência.

O ataque era avassalador, e o Rubro Negro marcou 33 pontos no quarto para ir pro último com 68 x 55.

No quarto final não teve apagão nem drama. O Flamengo controlou bem o jogo, aproveitou-se de sua experiência e finalizou a partida com largos: 90 x 69.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Tostão e os problemas do Flamengo nesta reta final do Brasileiro

Trecho da coluna do Tostão na Folha de São Paulo desta quarta-feira sobre o manjado futebol do Flamengo e sobre a má fase do Arão. 

Com Muricy ele era figura constante no ataque com o 4-3-3: Cuellar ou Márcio Araújo de primeiro volante e Mancuello pela esquerda e Arão pela direita. 

Agora, com Zé Ricardo o time passou a jogar no 4-2-1-3. Se por um lado Arão tornou-se o líder em roubadas de bola, do outro deixou Diego sozinho na função de armar o meio de campo.  

Arão vive má fase. Pode ser pelo cansaço, por ter que ficar mais preso pelo primeiro volante não ser confiável, o fato é que o meio de campo perde sem sua presença.

Segue a coluna:

O Flamengo sonhou que, no Maracanã, no reencontro saudoso com sua apaixonada torcida, ganharia todas as partidas. Ainda não venceu um jogo. Acontece! 
Enquanto o Palmeiras possui várias caras, estratégias, o que surpreende o adversário, o Flamengo faz sempre tudo igual. Os jogadores pelos lados quase só atuam pelos lados, o centroavante não sai do centro do ataque, e o meia de ligação ocupa sempre o mesmo espaço. A repetição excessiva cansa, empobrece. Quando tenta algo diferente, como a entrada do armador Mancuello, ele fica perdido, sem saber seu lugar. 
Antes da chegada de Diego, Willian Arão, marcava, armava e atacava. Era o meio-campista. Hoje, toda a armação está com Diego. Arão passou a ser um volante burocrático. Ele e Diego poderiam se completar na organização das jogadas. O fim da dependência a um único clássico meia de ligação foi um avanço no futebol. Essas críticas não apagam os muitos méritos do jovem técnico Zé Ricardo, uma grande promessa.